quinta-feira, 4 de abril de 2019

Assembleia de Freguesia de Lorvão - 3-4-2019


Assembleia de Freguesia de Lorvão

Porque a minha forma de estar na política é a da cidadania participativa, é de estar junto das pessoas e das suas preocupações e tentar esclarece-las, por isso ontem dia 3-4-2019 estive presente na Assembleia de Freguesia de Lorvão onde solicitei o esclarecimento a cinco questões e que prontamente me foram respondidas e que as passo a mencionar e as suas respetivas respostas:

P - Ponto de Situação em relação da legalização do Jardim Publico de Chelo, se já está em nome do Município de Penacova ou ainda em nome do Senhor António (filho da Dona Zulmira).
R: A Junta de Freguesia já fez o que lhe competia, inclusivamente fez chegar cópias de alguns documentos que eu disponibilizei e aguarda que a Câmara Municipal de Penacova resolva o assunto por ser da competência da mesma.  

P - Qual o ponto de situação em relação às obras de melhoramento da Fonte Histórica de Chelo mas especificamente na construção de um telheiro para dar dignidade ao espaço em si.
R: Depois da intervenção que tive na antepenúltima Assembleia de Freguesia acerca deste assunto, a Junta de Freguesia contactou a “comissão” da Fonte Histórica para articular a possibilidade de se realizar obras de beneficiação, e aguarda que a dita “ Comissão” da Fonte Histórica de alguma resposta.

P - Se a Escola Primária de Chelo está sobre a alçada da Câmara Municipal ou da Junta de Freguesia de Lorvão.
R: A Escola Primária de Chelo está sobre a alçada da Câmara Municipal de Penacova.

P - A quem pertence a Pré- Escola de Chelo, se ainda se encontra em nome do Senhor António que ofereceu o terreno e custeou parte ou a totalidade das obras, ou se está já em nome do Município de Penacova.
R: Foi dito que a Pré-Escola está a ser ocupada para se dar Catequese em Chelo e que a mesma pertence à Câmara Municipal de Penacova, mas que se desconhece se está em nome da Autarquia ou ainda em nome do Senhor António, ou seja, se ainda está como o Jardim publico de Chelo á espera de ser regularizada a situação.


P - Se a Junta de Freguesia tem alguma informação em relação ao início das obras na Estrada que liga a Rebordosa a Chelo, que tem três sítios onde o talude está instável e em risco de derrocada / estando só um dos locais assinalados.
R: Já está encontrada a solução técnica para a estabilização dos taludes, a obra aguarda o início mas falta ainda a “autorização” de um ou dois proprietários dos terrenos para se poder dar início à execução da obra.
 
Jorge Neves
Chelo

Nota: As respostas foram sensivelmente estas e podem ser consultadas quando a Ata da Assembleia de Freguesia estiver disponibilizada para consulta pública.


sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Pontos negros de Chelo e Chelinho

Chelo e Chelinho
Os "Pontos negros" que apresentei na reunião da Assembleia de Freguesia de Lorvão ;

 - Legalização do Jardim de Chelo que ainda se encontra em nome do Senhor António 
 - Abertura das casas de banho do Jardim
 - Recuperar ou retirar os bancos em ferro forjado que se encontram no Jardim
Contentores lixo e vidrão
 Retirar contentor do lixo junto do cruzeiro na estrada para cemitério
 Retirar os contentores do lixo e vidrão (muitos vidros no chão) junto da paragem das camionetas em particular na paragem junto da fabrica.
 Passadeiras - passeios e lombas
 Repintar passadeira em frente Pavilhão com colocação de uma lomba.
 Nova passadeira com lomba junto da fábrica onde para autocarro escolar
 Duas lombas para obrigar a reduzirem a velocidade, uma junto do Jardim e outra onde se situa a passadeira para o Pavilhão
 Alargamento o passeio das “laranjeiras” por questão de segurança para os peões
Fonte Histórica
 Regularizar a situação da Fonte Histórica, passar a fazer parte do cadastro patrimonial da autarquia para poder ser promovida a nível turístico
 Colocar aviso de água não controlada
 Substituir telheiro
 Construir retiro/parque merendas
Diversos
 Alcatroar a estrada entre Chelinho e a Fonte Histórica
 Hasta pública


segunda-feira, 23 de julho de 2018

SNS : Cidadão comum vs Cidadão " Especial"


Ainda criticam o Serviço Nacional de Saúde e mais concretamente o Hospital da Universidade de Coimbra!
O SNS e os HUC funcionam mais que bem principalmente ao sábado de tarde quando o utente é alguém que não é um cidadão comum!
Vamos lá por partes, alguém não comum não visão de quem estava de serviço ou por recomendação de alguém, chega às urgências dos HUC é prontamente atendido, e com vários exames para realizar o que também é normal num episódio de urgência, o que não é normal é chamarem em simultâneo para a realização dos diversos exames e analises clinicas.
Pergunto eu, o cidadão comum também tem o mesmo tratamento? No meu caso não, ainda aguardo o envio do meu processo clinico (devido ao cheque cirurgia) para a Sanfil há cerca de 35 dias porque existiu uma avaria no arquivo e alguns processos clínicos ficaram pendurados!

Boa tarde!

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Por terras de Chelo .


Como não gosto que digam que sou como os outros, até porque não sou tomei a liberdade de enviar uma missiva para a Junta de Freguesia de Lorvão com uns pedidos de esclarecimento acerca de alguns assuntos da Aldeia de Chelo, que o Senhor Presidente da junta de Freguesia de Lorvão já respondeu e vou tornar publico para que de uma vez por todas as pessoas conheçam a verdade do motivo porque algumas obras não se realizam.
Fiquei esclarecido, ajudarei a esclarecer as duvidas e agradeço ao Rui Batista ter respondido de forma rápida e clara .

Caro Jorge Neves,


Bom dia.

Agradecemos desde já a sua missiva e passo a responder no corpo do seu texto abaixo.

  Exmo. Senhor Presidente da Junta de Freguesia de Lorvão,
Exmo. Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia de Lorvão,
C/C aos Senhores deputados da Assembleia de Freguesia de Lorvão.
Assunto: Solicitação de informação/esclarecimentos


 
Na qualidade de cidadão desta freguesia, solicito a atenção e esclarecimentos de V. Exas. para os assuntos que passo a expor:
1. Tive conhecimento que o Jardim/Parque Infantil de Chelo, apesar de já ter tido intervenções por parte do anterior executivo da Junta de Freguesia e pelo atual executivo da Junta, ainda se encontra em nome de quem ofereceu o terreno e realizou as primeiras obras, e que continua a pagar todos os anos o IMI. Nestes termos, solicito:

R: a Junta de freguesia não tem em seu nome nenhuma propriedade. Em Outubro de 2013, visitámos o Sr.António que nos confirmou essa situação.
Na Junta de Freguesia e na CMP não foi possivel encontrar nenhuma documentação relativa a estas cedências.


a) Que me informassem se é verdade que quem ofereceu o terreno ainda paga o IMI e em caso afirmativo o que pensam fazer a curto prazo para resolver o assunto, tendo em conta a idade e o estado de saúde do senhor e a incerteza sobre as opções dos herdeiros quanto ao destino do seu património;


R: Após essa reunião, a situação foi identificada e debatida numa reunião na Câmara Municipal, sendo que o procedimento exige dos proprietários a identificação dos prédios....Isto é, chegou-nos á Junta de freguesia uma cópia dos Imi's pagos pelo Sr. António, mas não conseguimos encontrar a correspondência com aqueles espaços. Para além disso são assuntos que só uma procuração poderá dar poder para resolver uma situação destas.
b) Para quando uma homenagem ao benfeitor de Chelo e dar o nome dele ao jardim caso tenha a sua concordância.


R: Tanto quanto me lembro já foi em tempo realizada uma cerimónia de reconhecimento pelas Benfeitorias e bondade do Sr. António. Não se perdia nada em fazê-lo de novo e noutro enquadramento.

2. A Fonte Histórica de Chelo necessita de obras de melhoramento que lhe proporcione mais dignidade (limpeza da mina, telheiro, mesas para parque merendas, chão e colocação de placa a dizer agua não controlada). Segundo informações que recolhi, a Fonte está situada em terrenos de ninguém, ou seja, o terreno e a Fonte Histórica, apesar de ser do ano de 1113 e de fazer parte da Historia de Chelo e de Penacova, não se encontra registada, apesar de ter colocado numa das paredes as iniciais CMP (Câmara Municipal de Penacova).


R: Estamos em conversações com as pessoas que ao longo dos ultimos anos foram os cuidadores daquele espaço. A voz e a vontade do povo prevaleceram! No entanto, a idade foi chegando, os tempos são outros e efectivamente a gestão do espaço deveria ser feita de outro modo mas sempre em conciliação com estas pessoas.

3. Na Rua do Chafariz encontra-se uma casa completamente em ruinas que põe em risco quem passa na Rua do Chafariz (Rua principal de acesso para a Capela de Chelo).
Gostava de saber, mesmo sabendo que não é um assunto da competência Junta de Freguesia, se este assunto já foi encaminhado para os órgãos competentes.


R:Tudo o que se passa na Freguesia é sempre assunto para tratar na Junta!
Informo que já informámos da situação há bastante tempo, os fiscais da Câmara já fizeram o seu trabalho, visitando o local e procedendo em conformidade.
Tanto quanto sei o proprietario/herdeiro, estando fora do país, terá já envidado ações no sentido de demolir a construção em causa.
Lembro que a degradação desta parede se deveu maioritariamente ao esforço provocado por um postalete da EDP com uma iluminaria. Desde que foi retirado por razões de segurança que temos feito diversos contactos e visitas ao local com a EDP, para resolução da iluminação, estando definitivamente confirmada a colocação de um poste na entrada do Beco da Soledade, com a respetiva iluminária.

4. O anterior executivo realizou obras no chafariz de Chelo, optando pela via mais fácil, que foi ligar o chafariz à água da rede pública, com um contador de água com uma porta plástica na parede principal do chafariz. Nos últimos tempos tem-se verificado várias pessoas a utilizar a água, não para beber mas para outros fins, com custos que devem estar a ser custeados pela Junta ou pela Câmara Municipal de Penacova, e no meu entender deviam mandar desligar a água.


R: Os radicalismos nunca foram nem fizeram boa vizinhaça. Não somos polícias nem fiscais e desconhecemos tal situação. Deve imperar o bom senso e o civismo entre os utilizadores da referida fonte.A fonte ainda dá jeito a muitas pessoas.
Não sou adepto da ação "por causa duns pagam os outros".
Temos a orientação de agir para melhorar a vida de todos. Ainda para mais numa altura em que as pessoas no nosso meio passam por muitas dificuldades.

Ainda no que diz respeito ao assunto do chafariz, quando existir disponibilidade financeira, sugeria a colocação de uma mesa com bancos e plantar uma árvore, por ser um sítio onde alguns idosos tinham hábito de estarem sentados a conversar e agora estão impossibilitados de fazer.

R: é uma situação a avaliar...

Convido-o a assistir ás assembleias de freguesia e para se dar conta do conjunto de ações que este executivo tem vindo a desenvolver.
Mesmo com muitas dezenas de ações e obras feitas, muito ainda vai ficar por fazer com toda a certeza.
Lembro também que este executivo, funcionando quase a tempo inteiro, na verdade é "pago" a tempo parcial....
Vamos estabelecendo prioridades e há alguns assuntos que se vão sempre sobrepor a outros.


 
Agradeço desde já a atenção dispensada.
Lorvão, 22 de junho de 2018


 
Com os meus cumprimentos
Jorge Neves


 
Cumprimentos,
Rui Batista


terça-feira, 5 de junho de 2018

Reflexão sobre a Feira de Tradições de Lorvão



Reflexão sobre a Feira de Tradições de Lorvão
A história de cada lugar constitui-se sobre espaços apinhados de relações sociais e é no dia-a-dia que os costumes são revigorados, os traços culturais construídos, os valores e as tradições repassadas, e dessa forma, essa multiplicidade possibilita a construção da memória dos sujeitos sociais que compartilham do mesmo espaço, como um elo entre o tempo passado e o tempo presente.
Esse reencontro dos lugares de ontem com a paixão do presente reafirma que os espaços estão em constante movimento. Nesse sentido, a Feira das Tradições de Lorvão constitui-se como um lugar de encontro, de vivências, de práticas, fazeres e saberes que reforçam os seus significados.
Esta minha reflexão permitiu-me a compreensão de como a Feira das Tradições de Lorvão é como o ser humano, está em constante aprendizagem e tem enormes potencialidades para crescer, alterar as dinâmicas de funcionamento e de uma reorganização do espaço, assim todos colaborem e façam chegar as suas ideias e propostas atempadamente a quem tem o poder de decidir e de organizar a Festa das Tradições de Lorvão.
A Freguesia tem imensas coletividades que deviam participar e empenhar-se mais nesta Feira, pelo segundo ano que constato que são sempre as mesmas associações a participar, mas na hora de pedirem subsídios para as coletividades são as primeiras a solicitarem esse apoio financeiro e não só.
Na minha conceção quem não colabora com a sua participação também não merece ser apoiado.
A nível de reorganização do espaço onde decorre a Feira das Tradições de Lorvão, no meu entender deve ser repensado a forma da distribuição das barraquinhas das Associações com a gastronomia e as barraquinhas do artesanato. Se as barraquinhas da gastronomia se sentem aflitas com falta de espaço para os seus clientes se poderem sentar já as barraquinhas do artesanato se sentem afastadas do local onde se concentra o maior número de pessoas para assistirem aos eventos culturais e com muito espaço disponível em frente das ditas barraquinhas.
Está nas mãos de todos criarmos uma nova dinâmica entre o local dos eventos culturais, artesanato e gastronomia.
Em conclusão da minha reflexão, entendo que a Feira das Tradições de Lorvão reforça as tradições e as relações sociais, tornando-se num bastião como representação de lugar de memória. O espaço onde decorre a Feira é emblemático e grandioso a nível cultural. Dá para sentir que todos sem exceção que vivenciam o espaço da Feira percebem o sentimento de pertença e identidade, que revela a importância que se atribui a este espaço como lugar de memória social.
Jorge Neves

Chelo

terça-feira, 29 de maio de 2018

Prédio em ruinas na Rua do Chafariz em Chelo







Na Rua do Chafariz em Chelo.
.Este prédio está a ruir e este fim-de-semana abriu uma brecha numa das fachadas. Já há algum tempo o candeeiro de iluminação pública ficou pendurado pelos fios e a EDP teve de o remover ficando toda aquela zona sem iluminação pública.
Este prédio em ruinas coloca em perigo os peões e automobilistas que ali passam diariamente.

sábado, 14 de abril de 2018

Homenagem a Manuel Ribeiro em Chelo


Manuel Ribeiro dos Santos, é uma personalidade bem conhecida na cidade de Coimbra, principalmente no seu centro, através da sua faceta de grande defensor dos comerciantes e evolução da baixa para a notoriedade de Coimbra. 
Foi proprietário das lojas de moda Eldorado e Infinito, que marcavam com o seu gosto a modernidade do vestir, ao tempo.
Outra sua faceta, senão a mais importante, é a educação pessoal e respeito pelo seu semelhante, a de defender, ao seu jeito, parecendo por vezes utópico, a igualdade de direitos e oportunidades para todos nós.
Apoiou, enquanto lhe foi possível, pessoas em dificuldades várias, associações desportivas, culturais e artes, nunca se negando, num espirito completo de ajuda, a dar de si mesmo a par dos bens materiais que distribuiu. Sempre solidário, mesmo em reconhecido prejuízo próprio.
Exaltadamente sempre se manifestou pelo bem comum, por vezes controverso e incompreendido.
É um Homem Bom.
Pelos seus bons predicados, evidenciados sempre ao longo da sua vida, entendeu um grupo de amigos seus, organizar a prestação de merecida homenagem, a realizar na sua terra natal que tanto adora, Chelo, Penacova, no dia 21 de Abril de 2018, dia em que também completará mais um aniversário de vida.
Venham os amigos de Manuel Ribeiro. Tem agora uma oportunidade de se associar a esta homenagem inscrevendo-se. (967457038 Amável Ferreira)