terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Os números não enganam! Sem demagogia após 2009, porque existe quem se preocupe com a nossa terra!

Fotografia retirada de viajar.clix.pt

“E para quem quiser perder um pouco de tempo a ler e estar informado, cá vão mais uns números....estes existem...não são pura demagogia. A diferença é que se faziam orçamentos de 18 milhões.....continua a demagogia? Não sei. As pessoas que analisem: No final do ano de 2009, quando o novo Executivo do PS toma posse, presidido pelo Humberto Oliveira, as contas do Município de Penacova em 31 de Dezembro de 2009, que eram da responsabilidade do PSD, apresentavam os seguintes valores:
O total do Balanço em 31 de Dezembro de 2009 é de 34.319.797,64 €.
Os Fundos Próprios são de 24.034.708,35 €, incluindo um Resultado Líquido de 1.199.322,83 €.
A Demonstração de Resultados evidencia 10.312.044,53 € de Receita Cobrada e de 12.317.885,84 de Despesa Paga.
O Resultado Líquido do Exercício foi positivo em 1.199.322,83 €.
Na Demonstração de Resultados e Mapas de Execução Orçamental verificava-se que a Receita Cobrada foi de 10.312.044,53 € e Despesa Paga 12.317.885,84 €.
Camaradas!
Notem bem entre a Receita Cobrada e a Despesa Paga há um Déficit de 2.000.000,00 €.
As dívidas a Terceiros (Fornecedores Curto Prazo) situam-se em 2.075.920,89 € (Documentados). Quando em 31/12/2008 eram cerca de 500.000,00 €.
O Total dos Compromissos Assumidos e Não Pagos em 31/12/2009 eram de 5.409.883.36 €.
Os Custos e Perdas Extraordinárias aumentaram em 2.158.426,74 €.
As Disponibilidades Financeiras baixaram drasticamente de 2.092.654,46 € em 31/12/2008 para 392.459,34 € em 31/12/2009.
Tudo isto se deve porque o Município tinha apostado muito pouco no investimento durante todos estes anos de liderança do PSD e em 2009 apostou muito forte e o resultado estava à vista.
Estas situações menos boas acontecem porque quando se elabora o Orçamento e as GOP’S, estes sim já são documentos políticos, não são tidos em conta alguns pormenores técnicos que depois dão resultados como estes, e, senão vejamos:
Na parte das Receitas foram arrecadados os seguintes valores:

Receitas Correntes: 7.366.204,26 € - correspondendo a 88,97%.

Receitas de Capital: 2.868.711,66 € - correspondendo a 33,41%.
Outras Receitas: 2.093.274,02 € - correspondendo a 100%.

Analisando os documentos verifica-se que dos 18.956.366,21 €, previstos no Orçamento Inicial só se arrecadaram 12.328.189,94 €, correspondendo a 65%, do previsto, ficando por arrecadar 6.628.176,27 €, o que à partida se pergunta? Mas porquê esta diferença? Qual o motivo?

O Motivo é este:


Na rubrica 0603019904 – DGOTDU – previsto 117.750,00 € arrecadada Zero.


Na rubrica 06030604 – FEOGA/AGRIS – previsto 58.529,00 € arrecadada Zero.


Na rubrica 070106 – Venda Produtos Agrícolas e Pecuários – previsto 350.000,00 €, arrecadada Zero.


Na rubrica 090101 – Venda de Terrenos – previsto 1.821.560,00 € arrecadada Zero.


Na rubrica 090301 – Venda de Edifícios – previsto 2.500.000,00 € arrecadada 12.380,00 €.


Na rubrica 10030104 – Cooperação Técnica e Financeira – previsto 337.390,00 € arrecadada Zero.


Na rubrica 10030199 – Outras – previsto 155.544,00 € – arrecadada Zero.


Na rubrica 10030703 – FEOGA/AGRIS previsto 34.093,00 € – arrecadada Zero.

A isto chama-se inflacionar o Orçamento para puderem ter margem de manobra para fazer as obras que mais interessa politicamente.
Só que o ditado é antigo, quando o cobertor começa a ser curto, para tapar a cabeça descobrem-se os pés e vice-versa.
Afinal o que se vinha apregoando há algum tempo, que o Município de Penacova tinha uma situação Financeira invejável, não é assim tão líquido, senão vejamos:
As Disponibilidades de Tesouraria em 2009 situavam-se em cerca de 392.000 €.
Os Compromissos Assumidos e não Pagos em cerca de 5.410.000,00 €, o que quer dizer que se a facturação entrasse na Câmara, para liquidar essas dívidas só lhe restava uma saída que era recorrer a um empréstimo. Logo se o fizesse o limite de endividamento quase se esgotava, porque o limite de endividamento pela Lei das Finanças Locais é de 7.152.435,92 €. Então podemos resumir o seguinte:
Os tão falados 2.000.000,00 € em 31/12/2008 que existiam nos cofres do Município e que só restavam cerca de 392.000,00 €, em 31/12/2009, estaríamos agora a falar numa dívida de cerca de 7.100.000,00 €, que era precisamente o limite do endividamento.
Ora como se vê a situação financeira não era assim tão boa como alguns queriam fazer crer e isto deve-se ao facto que durante os 20 anos de liderança do PSD o investimento que se iniciou em 2008 e 2009, mas principalmente 2009 (ano de eleições), deveria ter sido faseado ao longo destes anos.
Muito mais haveria a dizer em relação ao Balanço, à Demonstração de Resultados e aos Mapas de Execução Orçamental, mas penso que o essencial foi dito referente ao ano de 2009.
Antes de terminar a análise do ano de 2009 queria só dizer o seguinte:
No ano de 2009 entre a Receita Cobrada e a Despesa Paga havia um Deficit de cerca de 2.000.000 €. No ano de 2010 há uma diferença positiva de 264.987,30 €, logo se verifica uma gestão diferente para melhor, e não fosse o Senhor Presidente Economista.
Depois da análise ao ano de 2009, último ano de governação PSD, passamos a comparar os dois anos de mandato do PS presidido pelo Humberto Oliveira e comparamos só os anos de 2010 e 2011 porque as contas de 2012 ainda não estão apuradas, mas pelo que vou verificando parece-me que continuam no bom caminho, vamos então à comparação:
O Balanço em 31 de Dezembro de 2011, evidencia um total do activo líquido de 39.743.809,41 €, verificando-se um aumento de 5.424.011,77 €, relativamente a 2009.
O Total dos Fundos Próprios é de 27.561.852,85 €, incluindo um Resultado Líquido de 1.390.506,84 €, contra 24.034.708,35 €, incluindo um Resultado Líquido de 1.199.322,83 €, verificando-se um aumento de 3.527.144,50 €, em relação a 2009.
Os Bens do Domínio Público apresentam um valor líquido de 20.997.008,23 €, contra 19.445.030,64 € em 2009.
O Imobilizado Corpóreo Líquido, apresenta um valor de 16.141.672,55 €, contra 13.140.892,12 € em 2009.
O Activo Líquido aumentou 4.721.759,31 € relativamente ao ano de 2009.
A Demonstração de Resultados evidencia 10.317.268,32 € de Receita Cobrada e de 10.112.561,98 € de Despesa Paga, o que comparativamente com o ano de 2009, verifica-se que houve um aumento na arrecadação da Receita Cobrada de 5.223,79 €, mesmo tendo em atenção a quebra de Receita que se verificou, umas por imposição do Governo, outras pela crise já instalado no País.
Relativamente às Receitas Correntes e de Capital, verificamos que houve uma diminuição drástica e podemos recuar mais alguns anos que só vamos encontrar valores semelhantes em 2006.
Relativamente às Despesas de Capital a sua diminuição deve-se aos cortes impostos pelo governo, como já tinha sido referido, mas também aos projectos Comunitários.
Aliado a tudo isto, não poderia deixar de fazer a análise patrimonial do Município, o que por vezes muitas pessoas se esquecem e que é muito importante.

Vejamos:

- Redução da dívida a terceiros em 1.123.609,87 €. (Fornecedores 906.741,21 €, Empréstimo de médio e longo prazo contraído em 1998 – 216.868,66 €).

Verifica-se ainda que em 31 de Dezembro de 2011, os Compromissos Assumidos e não Pagos é de 2.753.435, 58 €, contra os 5.409.883,36 € em 2009. (Note-se que diminuíram cerca de 50%).

Depois de analisados estes números, posso afirmar que em tempos de crise o Passivo baixou significativamente, fez-se e continua a fazer-se obra.”

*Retirado do Facebook

Enviar um comentário