segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Artigo de opinião de Pedro Coimbra


Já não participava numa manifestação há mais de 18 anos. A última vez foi numa das maiores mobilizações estudantis a nível nacional contra a política do Ministério da Educação, na altura liderado pela Manuela Ferreira Leite.Ontem, passados estes anos, na qualidade de cidadão e apenas como tal, voltei a participar numa das maiores mobilizações nacionais da nossa democracia. Em Coimbra, da Praça da República até ao Parque Verde - estava previsto que a iniciativa terminasse na Praça 8 de Maio, mas foi pequena para tanta gente - juntaram-se milhares de cidadãos.De acordo com dados da Polícia de Segurança Pública, a manifestação iniciou-se com cerca de sete mil pessoas tendo "engordado" durante o seu percurso até às vinte mil, tornando-se a maior manifestação em Coimbra desde o 1.º de Maio de 1974.O que mais me saltou à vista, para além da dimensão, foi a transversalidade e presença tão diversificada de cidadãos: jovens, menos jovens e mais velhos; trabalhadores e reformados; médicos e professores; empresários e operários; desempregados e sindicalistas; advogados e enfermeiros; comerciantes e funcionários públicos. Famílias inteiras e, já agora, também militantes e dirigentes do PS, do PSD, do CDS/PP, do BE e do PCP!Dificilmente se consegue tanto consenso nacional nalguma matéria e isso foi mérito do actual Governo, liderado por Pedro Passos Coelho. Ao anunciar mais um conjunto de medidas de austeridade que vão muitopara além das impostas pela troika, contestadas por todos os parceiros sociais e por todos os sectores da sociedade portuguesa.Os sacrifícios pedidos ao povo têm limites de dignidade e de moralidade e esse limite foi ultrapassado!Sublinho, com orgulho, o carácter, o sentido de responsabilidade e o civismo do Povo Português. Tirando alguns pequenos incidentes nalguns pontos do País, esta manifestação nacional em muitas das nossas cidades, foi ordeira e pacífica.Pena é que o Governo tenha atirado o País e os Portugueses, aos olhos da comunidade internacional, para uma imagem semelhante à da Grécia. É desejável, a bem de Portugal e de todos nós, que este mesmo Governo caia na realidade e recue rapidamente nas medidas que apresentou e que, inexplicavelmente, vão muito para além do acordo da troika, para além da tolerância dos portugueses, e que são contestadas por todos os sectores sem excepção.

Viva a Liberdade!Viva Portugal e os portugueses
 
Fonte : Diário de Coimbra e retirado do http://www.penacovactual.com

Enviar um comentário