sexta-feira, 19 de abril de 2013

Uma reflexão mais refinada sobre as noites da Rua Venâncio Rodrigues.


Ontem escrevi um texto com o título “ O desassossego das noites na Rua Venâncio Rodrigues”, mas resolvi após refletir mais uns instantes proceder a uma reformulação do testo e deixo abaixo a nova versão mais elaborada e com algumas questões que gostava de ser esclarecido.

Muitas ocorrências brotam na Rua Venâncio Rodrigues mais conhecida, entre os jovens, pela rua do NB Coimbra.
O referido Bar é frequentado, na sua maioria, por jovens estudantes universitários, com idade própria de serem rebeldes, de terem o sangue na guelra, de consumirem em excesso bebidas alcoólicas “explosivas” à saída do Bar deixando espalhado pelos passeios, garrafas de vidro, copos, garrafas de plástico com restos de vinho e de outras misturas, mas nem tudo isto poderá servir de desculpa para tudo de mal que vem acontecendo nesta artéria e áreas circundantes.
Eu e não só temos escrito e refletido sobre este assunto, mas ninguém com responsabilidades na sociedade conimbricense demonstrou, até ao presente, iniciativa ou capacidade para acabar, de uma vez por todas, com estes sucessivos comportamentos anti-sociais.
Quase de forma diária, mas com maior relevância nas madrugadas de terça, quinta-feira, e sábado podemos verificar, dezenas de garrafas de vidro espalhadas nos passeios, debaixo dos carros, vidros partidos, pedras e sinais de trânsito arrancados dos passeios, zonas completamente cheias de urina, vomitado e até de dejetos.
Não será da responsabilidade da Câmara Municipal de Coimbra o licenciamento deste tipo de estabelecimento?
Não será da responsabilidade da Câmara Municipal de Coimbra proceder à limpeza e lavagem dos passeios e da estrada?
Defendo uma articulação eficaz entre a Polícia Segurança Pública e a Polícia Municipal e um maior patrulhamento destas duas entidades bem como à urgente intervenção da Câmara Municipal de Coimbra em relação ao licenciamento, que não deveria exceder as 4 horas, até porque os veículos de recolha do lixo passam antes dessa hora.
A este propósito e já que o encerramento daquele espaço ocorre posteriormente à passagem daqueles funcionários camarários, não competiria ao Bar a responsabilidade da limpeza dos espaços circundantes como o fazem no interior?
Estive no local a observar atentamente os estragos na via pública ocorridos na noite de 17 para 18 de Abril e reparei que o referido bar tem para a Rua Venâncio Rodrigues 4 portas de saída de emergência pelo que, em meu entender, essas mesmas portas não poderiam/deveriam ser utilizadas como entrada. Gostaria de vir a ser esclarecido porque, se nenhuma entidade o fizer, concluirei que esta minha observação será pertinente e ao mesmo tempo preocupante demonstrando-se, desde logo, uma falha dos serviços de fiscalização.
Por outro lado, os moradores têm vindo a ser obrigados a suportar o barulho, a observarem os vidros das suas janelas e portas um alvo privilegiado dos vómitos e dejetos, do movimento de passantes na rua, alguns deles completamente embriagados, que se deslocam em direção aos seus carros estacionados, muitas vezes em segunda fila e em cima dos passeios sem nunca serem incomodados pelas forças policiais ou por usarem, não raras vezes, a calçada à portuguesa como arma de arremesso durante a exteriorização dos seus comportamentos anti-sociais.
Não existirá também aqui uma quota-parte de responsabilidade da Junta de Freguesia da Sé Nova? Não deveria também ela dar o seu contributo para que os seus eleitores não tenham de passar por estas situações desagradáveis, designadamente, para os idosos e para quem trabalha e que, no seu trajeto diário, terá de percorrer a artéria completamente suja e ter de se desviar de “objetos estranhos” ou mesmo em relação aos turistas que durante o dia se deslocam em direção à universidade? É assim que queremos cativar e promover o turismo para a cidade? Foi por esta razão que se promoveu a candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial da UNESCO?
No meu entender, a Câmara Municipal deveria limitar o horário de funcionamento do Bar até às quatro da manhã (cumpridos escrupulosamente, sob pena de pesadas coimas), à semelhança de outros bares (julgo que estes espaços é até às 4h), visto ser uma zona residencial e de se encontrar, também, na zona da Instituição Policia Judiciária que para a maioria dos cidadãos continua a ser uma instituição credível e que não merecerá conviver quase diariamente com toda a má educação e rebeldia referida anteriormente.
Sei que é difícil “combater” os interesses instalados, mas eles nunca, mas nunca, deverão estar acima dos órgãos de decisão do Estado e do próprio cidadão comum.
Haja coragem.

Enviar um comentário